Terça-feira, 5 de Março de 2013

Mulher olha através de janela de ônibus coberta com gotas d'água em Nova Délhi, na Índia

Foto: Manan Vatsyayana/AFP


publicado por antonio01 às 02:39
link do post | comentar | favorito
Domingo, 26 de Agosto de 2012

Cinema


publicado por antonio01 às 23:26
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2011

Em Construção

 

 

 


publicado por antonio01 às 01:58
link do post | comentar | favorito
Domingo, 5 de Novembro de 2006

AO ARQUEÓLOGO DO FUTURO

“O Brasil sempre foi de uma minoria autoperpetuada, mas nunca, no passado, a maioria teve como agora uma noção tão nítida do seu banimento interno, do seu exílio sem sair do lugar.

Sempre que penso num arqueólogo abrindo uma dessas caixas em que se põem documentos, jornais, objetos e curiosidades da nossa época justamente para serem descobertas no futuro, imagino que ele pode ter duas reações: uma que nos condena e outra que nos elogia. Elogio é o hipotético arqueólogo sacudir e a cabeça e dizer “Bons tempos aqueles” porque o seu tempo será muito pior do que o nosso. O contrário é ele sacudir a cabeça e comentar o nosso atraso, e perguntar-se como conseguimos sobreviver e - mais espantoso ainda - como sua sociedade superior pode ter evoluído desta insensatez e deste caos. Ou ele nos invejará ou nos desprezará.

Alguns itens da caixa por certo o deixarão perplexo. Jornal, por exemplo. O que é isso? dirá ele. E dará boas risadas com os telefones celulares, resquícios de uma época em que as pessoas ainda não tinham transmissores e receptores implantados no crânio ao nascer.

E o Brasil? O que ele pensará do Brasil? Que interpretação do Brasil deveria ser incluída na caixa para ele entender o que ocorria no país naquele longínquo começo do século 21? Minha contribuição começaria com um episódio real, que aconteceu comigo. Nada demais, uma pequena cena do cotidiano que só serviu como mote para uma crônica que escrevi.

Eu caminhava por uma calçada e veio uma bola na minha direção. A bola tinha escapado do controle de um garoto que, de longe, gritou: “Devolve!” Não era um pedido, era uma ordem. A mãe do garoto ouviu e perguntou se aquilo era jeito de falar com alguém. O garoto então se corrigiu. Gritou “Adevolve!” Por alguma razão, achou que, colocando um “a” no início da palavra, o pedido ficava mais educado. Na crônica, eu dizia que, de certa maneira, a sociedade brasileira estava fazendo o contrário do garoto.

Todas as manifestações de inconformidade com a crise social brasileira, culminando com a eleição do Lula, tinham sido educados pedidos para que a minoria que nos domina adevolvesse o país à sua maioria excluída. E que não dava para imaginar como seria quando acabasse a boa educação, quando uma sociedade desesperada exigisse o fim da incompetência criminosa que lhe sonega saúde, segurança, educação e emprego há anos, para dar lucro a banco, garantia a especulador e boa vida a poucos. Quando “devolvam!” virasse um grito de guerra.

O Brasil sempre foi de uma minoria autoperpetuada, mas nunca, no passado, a maioria teve como agora uma noção tão nítida do seu banimento interno, do seu exílio sem sair do lugar. A eleição do Lula significou, entre outras coisas, isso. O neoliberalismo triunfante, além da revolução semântica que transformou insensibilidade social em virtude empresarial, tinha trazido uma espécie de redenção história para o nosso patriciado, que afinal só abolira a escravatura para imitar os outros e para não ser chamado de retrógrado. Como ser retrógrado passou a ser moderno, nos oito anos de governo Fernando Henrique, a distância entre minoria e maioria aumentou. E como Lula, frustrando esperanças, continuou a política econômica do governo anterior, o que eu poderia dizer ao arqueólogo do futuro é que talvez estejamos vivendo no Brasil os últimos anos de paciência. Embora ninguém pareça ter o menor temor de que o que não adevolverem por bem terão que devolver por mal.”
Luis Fernando Veríssimo / Carta Maior

sinto-me:

publicado por antonio01 às 02:09
link do post | comentar | favorito

As Cobras / Verissímo


publicado por antonio01 às 02:01
link do post | comentar | favorito
Sábado, 17 de Junho de 2006

TE QUERO, NEM SEI SE QUERO...

“Te quis tanto, cada canto meu era teu, teu encanto meu alento. Meu conforto e serventia. Tanto te queria que não seria fantasia simples alegoria de um coração sem alegria.
Tua boca, fonte e porto, açoite e voracidade. Na saudade de tua distância tão aconchegante, cada galante verso, inverso e amante.
Quero o perverso e complexo abraço, no cansaço deste traço que ameaço, com o compasso da vida.
Marina cheia, salina pele, delícia de sol, arrebol, mas armadilha.
Na ilha de tuas pernas, mina de tanta riqueza, aurífera beleza de fera holandesa.
te quero tanto, não temo nem teimo. Apenas queimo.
Ardendo e me devorando, me decoro com tuas penas. Tanto penar e tanto mar. Mar e maré, mundo sem fé, seca e sorvete, solvente me dissolve e corrói e como dói.
Um vasto pasto da alma, sem calma nem chama, me chama e nem percebo.
Te concebo e te traço, contrastes e tentativas. Preto e branco, o retrato na parede é tão antigo. Contigo nada mais, nada a mais que a mais voraz saudade.
Saudade do que nem há de, nunca guerreando, sempre andando, adiando para sempre o que nunca foi nem seria.
A cada dia a voracidade, a espera sem esperança, a espreita, caçador.
Com trato e com tato, sem tempo para ser. Nunca seria sério, seria?
Se ria se ris, nada diz e nem pretendo, mesmo tendo o porquê sugerir, sugere ir para o jamais.
Já mais antiga que a própria vida. Sem sentido, sortido, e talvez sórdido; sempre ardido, urdido e esquecido.
Nunca viveria o que viver seria se pudesse te ter.
Talvez seja por isso que esqueci de te chamar, clamar, esperando o momento inevitável do que nunca viria ou se vier, não sei mais o que faria.
Agora o tempo vai embora e, embora te quero, sinceramente, a mentira mais sincera é essa. Depressa que a vida passa e não cansa de passar.
Mas pra que te ter se nem te quero? Ou quero, mas não venero, nem espero nem espreito mais. Meu defeito talvez seja o de te amar demais...”
Por Marcos Loures / Do blog: Na Alameda da Esperança
sinto-me:

publicado por antonio01 às 23:57
link do post | comentar | favorito

*blogs

Photografia Poietiko Fatos, Charges e Fotos Photos Parthy Brasil! Brasil! Blogs e Blogs Dilmais! Magazine Brasil Oekonomikus Penúltima zona Samburiquinhas Artigos e CIA

*arquivos

* Março 2013

* Agosto 2012

* Janeiro 2011

* Novembro 2006

* Junho 2006